AML aprova por unanimidade votos de pesar a Carlos do Carmo e João Cutileiro

PUB

A 131ª reunião plenária da Assembleia Municipal de Lisboa (AML) no mandato 2017 – 2021, aprovou hoje por unanimidade os votos de pesar ao fadista Carlos do Carmo e ao escultor João Cutileiro.

Carlos do Carmo faleceu no passado dia 1 de janeiro, aos 81 anos, após uma carreira inefável no panorama artístico nacional. Vencedor de um Goya, um Grammy Latino, dois Globos de Ouro, recebeu também a Ordem do Infante D. Henrique e a Medalha de Ouro de Mérito Municipal. Foi membro da Presidência do Conselho Português para a Paz e a Cooperação e foi o primeiro artista em Portugal a editar um CD, em 1984, sob o título “Um Homem no País”.

A 4 de Janeiro de 2021, Fernando Medina, presidente da Câmara Municipal de Lisboa, declarou o fado “Lisboa Menina e Moça”, eternizado na voz de Carlos do Carmo, como a canção oficial da cidade de Lisboa.

João Pires Cutileiro foi um dos mais conceituados escultores portugueses e nome maior das artes plásticas do século XX.

Autor do Monumento ao 25 de Abril instalado no Parque Eduardo VII, encomendado por ocasião dos 25 anos da revolução portuguesa, do Lago das Tágides construído para a Expo’98 e que se mantém no Parque das Nações, entre muitas outras obras, onde se destacam as esculturas de corrente figurativa em mármore. O intimismo, o erotismo e o amor são temas recorrentes quer na sua obra escultórica, quer nos seus desenhos.

Em 2018, recebeu a medalha de mérito cultural, atribuída pelo Ministério da Cultura, numa cerimónia no Museu de Évora que serviu igualmente para formalizar a doação da casa-atelier e do espólio do escultor ao Estado português.

João Cutileiro faleceu no Hospital Pulido Valente em Lisboa no passado dia 5 de janeiro, vítima da doença respiratória.

O Presidente da Assembleia Municipal de Lisboa, o socialista José Leitão, procedeu à leitura dos votos de pesar e iniciou o minuto de silêncio em honra dos artistas. 

PUB IMDENTALCARE